logo-playkidsapp
Fun Friday PlayKids - A diversão tá ON e o preço tá OFF! 17% OFF no plano anual

O que é criação com apego?

por | nov 10, 2021

Você sabe o que é criação com apego? Essa expressão implica no acolhimento dos sentimentos, assim como a resposta para as necessidades emocionais e físicas da criança. Essa teoria indica que os vínculos emocionais construídos entre pais ou responsáveis com seus filhos durante a primeira infância são responsáveis por determinar a vida adulta.

Leia mais:
A importância de cuidar de quem cuida
7 dicas para pais de primeira viagem
O que é educação parental?

Ou seja, ajudam a construir relacionamentos saudáveis, empáticos e seguros. Para conhecer melhor sobre este assunto, siga a leitura conosco e confira o que é criação com apego e quais são seus princípios!

O que é criação com apego?

A criação com apego vem do termo em inglês “attachment parenting”, criado e difundido pelo pediatra americano William Sears. De acordo com a teoria, ter uma forte ligação emocional com os pais durante a primeira infância é essencial para ter relacionamentos seguros e empáticos na vida adulta.

Para isso, pais e crianças devem estar receptivos emocionalmente para a criação com apego. Isso pode requerer uma certa disponibilidade emocional, principalmente dos adultos. Muitas vezes, o termo pode transmitir a sensação de que o objetivo é ser permissivo e superprotetor.

Contudo, a criação com apego preconiza o contrário. Formar indivíduos autoconfiantes, maduros emocionalmente, seguros e empáticos. Para isso, a maneira como o vínculo é construído entre pais e filhos na primeira infância é efetiva.

Uma criança formada na criação com apego costuma construir uma relação saudável consigo, reproduzindo o padrão dessa relação com outras pessoas quando adulta. Ao ser acolhido desde o início de sua vida, o indivíduo cresce autoconfiante e seguro, sem a necessidade de buscar validação ou aprovação durante a vida adulta.

8 Princípios da criação com apego

A teoria da criação com apego apresenta 8 princípios que servem de ferramentas de auxílio para os pais ou responsáveis que se preocupam em oferecer uma educação afetiva e segura sem exageros.

Entretanto, os princípios não devem ser encarados como regras, uma vez que supor a existência de um manual nega a relação entre pais e filhos com atenção contínua. A seguir, confira quais são os princípios e como colocá-los em ação.

1. Preparar para a gestação, nascimento e criação

Por ser o início de tudo, esse é um dos pontos mais importantes. Mais do que um parto humanizado, preparar-se para a chegada do filho envolve diversas questões.

Entre elas, resolver questões e traumas acerca da própria infância, evitando que não sejam passados para adiante, opções de parto e amamentação, rotina de cuidados, expectativas realistas com o bebê, e a comunicação aberta sobre todas as possibilidades com o parceiro(a).

2. Alimentar com amor e respeito

A amamentação pode desenvolver fortes vínculos. Essa forma de alimentação é equilibrada e contribui para o desenvolvimento de refeições como momentos de união familiar, fortalecendo o laço afetivo.

Dessa forma, a criação com apego enfatiza a importância de manter uma alimentação marcada de amor e respeito. Algumas formas de colocar isso em prática, são:

  • Amamentar em livre demanda;
  • Avaliar alternativas como mamadeira e chupeta, introduzindo o colo e atenção exclusiva caso sejam necessárias;
  • Introduzir alimentos sólidos quando o bebê der sinais de que está pronto;
  • Continuar amamentando mesmo após a introdução alimentar;
  • Fazer o desmame gentilmente.

3. Responder com sensibilidade

Para a criação com apego, este é um ponto fundamental. A sensibilidade nas respostas às necessidades do bebê é a base do vínculo, aplicando valores como empatia e compaixão diariamente.

Diferente do que se diz a respeito do colo excessivo, este estilo de criação é perfeitamente normal para bebês que queiram constante contato físico, visto que buscam a segurança. Por isso, é importante que os pedidos por afeto não sejam ignorados.

4. Usar o contato afetivo

Momentos como a amamentação, abraços, aconchegos, massagens e uso de slings são algumas formas de atender a necessidade ao toque do bebê. Esse contato entre peles traz inúmeros benefícios para a criança, como:

  • Estímulo de hormônios de crescimento;
  • Melhora do desenvolvimento intelectual e motor;
  • Melhora na regulação da temperatura do corpo;
  • Melhora no ritmo de batimentos cardíacos e padrões de sono;
  • Aumento das chances de ganho rápido de peso;
  • Maior tranquilidade;
  • Menores momentos de choro.

5. Garantir um sono seguro, física e emocionalmente

A criação com apego indica que os bebês precisam de pais amáveis para que sintam-se seguros durante a noite. Portanto, prega-se a prática de técnicas como as que os pais durmam próximos aos filhos.

Isso pode ser feito com camas compartilhadas, ou com berços e moisés acoplados à cama dos adultos. Seja qual for a escolha, o objetivo é tornar as noites mais relaxantes, criando o hábito de sono mais saudável.

6. Cuidar de forma consistente e amorosa

É importante entender que o cuidado diário e interações amorosas constroem fortes laços de afeto. Dessa maneira, quando nenhum dos pais têm disponibilidade de cuidar do bebê em período integral, é essencial que ele fique aos cuidados de uma pessoa que, além de amorosa, tenha ligação à criança. Da mesma forma, que os pais desenvolvam rotinas que permitam o cuidado consistente e amoroso.

7. Praticar a disciplina positiva

Diferente da disciplina autoritária, punitiva e agressiva, a disciplina positiva tem como regra tratar as crianças como gostaríamos de ser tratados. Assim, a empatia, gentileza, respeito e afeto devem guiar a educação dos pequenos.

A disciplina positiva envolve a utilização de técnicas como distração, prevenção e substituição para que a criança seja guiada para longe do perigo, ajudando-as a explorar o mundo de forma segura. Conversar, ouvir e pedir desculpas são pontos que devem fazer parte da disciplina, baseando-se no respeito e sensibilidade.

8. Manter o equilíbrio entre a vida pessoal e familiar

Por fim, o último princípio da criação com afeto é entender que as necessidades de todos são importantes e, por isso, devem ser atendidas sempre que possível. Quando se tem equilíbrio, a família é capaz de ser emocionalmente compreensível.

Dessa forma, é fundamental compreender que não é possível realizar tudo sozinho, e que uma rede de apoio é necessária para o momento. Além disso, outros pontos importantes são:

  • Ter objetivos realistas;
  • Priorizar pessoas e momentos;
  • Não ter medo de dizer não;
  • Reservar tempo para si mesma;
  • Pedir ajuda sempre que necessário;
  • Evitar se sobrecarregar;
  • Manter amizades;
  • Entender que tudo é passageiro.

Na leitura de hoje você pôde entender um pouco mais sobre a criação com afeto. Além disso, conferiu os oito princípios que ajudam a colocar essa teoria em prática, melhorando o relacionamentos entre familiares e desenvolvendo vínculos que vão refletir positivamente na vida adulta da criança.

No Blog PlayKids, você encontra tudo o que precisa saber sobre tecnologia, educação, parentalidade e desenvolvimento infantil, além dos lançamentos e novidades do PlayKids App. Assine a nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo!

Categoria:
Família
Escrito por Equipe do Blog PlayKids

Escrito por Equipe do Blog PlayKids

A equipe do Blog PlayKids é formada por especialistas em desenvolvimento infantil, educação e tecnologia, parentalidade e educação.

Nossas Redes Sociais

Mais lidas

Conheça o PlayKids

O que é PlayKids App?
Qual a importância dos aplicativos educacionais?
Você sabe como funciona o PlayKids?
Saiba como assinar PlayKids
Ebook Original PlayKids

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + 3 =

Mais Posts
Como criar uma rede de apoio?

Como criar uma rede de apoio?

Você sabe como criar uma rede de apoio? Essa é uma tarefa fundamental para os pais. Isso porque é ideal que eles tenham ajuda de um grupo de pessoas com quem contar. Contudo, ter uma rede de apoio nem sempre é tão simples. Leia mais: Por que criar crianças...

Ei, quer receber nossas
novidades toda semana?

E-mail cadastrado com sucesso!

Pin It on Pinterest