logo-playkidsapp
banner_header

A importância de brincar e viver o lúdico

por | jan 11, 2021

O brincar frequentemente é associado a atividades não sérias, “você está brincando ou falando sério?”, “você está de brincadeira”, ou à perda de tempo “ah, pára de brincar e vai estudar”. Mas, o brincar é muito sério! Aliás o brincar é sério para adultos, apesar das crenças que temos de que “adultos não brincam”, que vão contra vários estudos sobre felicidade a longo prazo, mas para crianças, o brincar é primordial. Percebemos a importância do brincar para as crianças ao observar seus direitos. Afinal, a brincadeira é um direito de toda criança, garantida pela Declaração Universal dos Direitos da Criança, adotada pela ONU em 1959.

Por quê o brincar é tão importante?

A brincadeira, para a criança, é uma elaboração criativa de situações que ela ainda não viveu, é uma reelaboração de impressões vivenciadas, é a construção de uma nova realidade, interpretada pela criança. Esse processo é poderosíssimo, pois não só representa uma percepção do mundo interpretado pela criança, mas também uma vivência de algo que a criança vai experimentar futuramente. Ou seja, em outras palavras, o brincar é o processo pelo qual a criança se desenvolve. 

Imaginação e brincadeira

A imaginação é a gênese da brincadeira, e por fim, a gênese de toda atividade criadora humana. Assim o brincar é o primeiro contato e mais natural que a criança tem com o criar. Lembrando que a imaginação e a criação são características essencialmente humanas, e por isso, importantíssimo para tudo que nós já construímos para o funcionamento da nossa sociedade hoje. Sem esse “treino”, não haveria criação. 

Brincar e espaços

Para brincar, a criança necessita de um ambiente que desafie seu imaginário, isso não necessariamente está ligado à vários brinquedos e ferramentas, e sim, a possibilidades que permitam que essa criança crie. Outro ponto interessante, é esperar que a criança tenha momentos sem condução do adulto, momentos de ócio, em que ela crie suas próprias narrativas. Todas essas tentativas desafiam a criança, que por fim, ganha repertório, memória e se desenvolve.

Por isso, a dica para nós adultos é: permita e incentive que seu filho ou filha brinque, que tente, que transforme tecidos, alimentos, embalagens em personagens principais de suas narrativas.  

“Na brincadeira, a criança está sempre acima da média da sua idade, acima de seu comportamento cotidiano; na brincadeira, é como se a criança estivesse numa altura equivalente a uma cabeça acima da sua própria altura”.

Vigotski (2008, p. 35)

Leia mais:

 

Escrito por Nathalia Pontes

Mestre em Psicologia da Educação pela PUC-SP e escritora de livros infantis, acredita que aprender é uma combinação entre autoconhecimento, troca e curiosidade pelo novo. É apaixonada por educação e tecnologia.

Mais lidas

Conheça o PlayKids

O que é PlayKids App?
Qual a importância dos aplicativos educacionais?
Você sabe como funciona o PlayKids?
Saiba como assinar PlayKids

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − 5 =

Mais Posts

Ei, quer receber nossas
novidades toda semana?

E-mail cadastrado com sucesso!

Pin It on Pinterest