Como trabalhar a empatia na infância?

fev 9, 2022 | Crianças

Os melhores conteúdos para sua criança? Tudo bem, é PlayKids! Acesse o app!

A empatia nada mais é do que a habilidade de nos colocarmos no lugar de outra pessoa. Ou seja, buscando agir ou pensar da mesma forma como ela pensaria ou agiria. Sendo assim, é importante que a família crie um ambiente seguro e saudável para as crianças, onde elas aprendam a conviver de forma coletiva e também compreendam o significado na prática da palavra empatia. Afinal, essa competência é algo que se aprende e constrói desde cedo! Quer saber mais sobre como trabalhar a empatia na infância? Veja abaixo!

Leia mais:
O que é educação socioemocional?
Como falar sobre bullying virtual com as crianças?
7 desenhos infantis que ajudam a lidar com as emoções

Por que trabalhar a empatia na infância?

Segundo alguns estudos, a empatia teria uma relação genética. No entanto, grande parte dessa construção se dá ao longo da vida. E a infância tem um papel fundamental nesse caminho, já que é onde tudo se inicia! Por isso, apresentar um mundo de possibilidades às nossas crianças, de acordo com suas experiências, é uma ação fundamental no caminho de um mundo mais empático.

No entanto, algumas vezes, é preciso realmente um esforço dos adultos. Isso porque eles precisam se livrar de algumas amarras, para que consigam mostrar aos seus pequenos o quão importante é o conviver no coletivo sem julgamentos. Livrando assim, as crianças de preconceitos, e deixando-as serem apenas crianças.

É importante ressaltar que, na primeira infância, existe uma espécie de empatia inata aos seres humanos. Afinal, aprendemos a conviver desde cedo sem distinções físicas, psicológicas ou cognitivas, por exemplo. Portanto, os bebês e crianças estão ali pelo simples prazer de experimentar a troca com outra pessoa.

Nesse sentido, sabemos que os pequenos e pequenas não possuem julgamentos de valores tão marcantes quanto os adultos. E é aí que está a chance de criar seres que, ao crescerem, poderão escolher, diante de um mundo de possibilidades, quais tipos de seres humanos eles serão. Com muito mais chances de inclusão, essas pessoas também trarão pessoas de diferentes mundos para o seus mundos. E assim, poderemos formar pessoas cada vez mais empáticas!

A pandemia da empatia

Infelizmente, estamos passando por um momento bastante complicado de pandemia global. Neste mundo, as crianças estão nascendo e sendo educadas em um cenário que não prevíamos: umas longe das outras, dentro de casa e “perdendo” um pouco de suas infâncias por conta de uma doença.

Apesar disso, vemos ainda mais a necessidade de praticar a empatia e o cuidado com o outro nas nossas atitudes do dia a dia. Isto é, permanecendo em casa, pedindo que o outro se cuide, usando máscaras e álcool em gel, tomando as vacinas necessárias e, por fim, mostramos para nossas crianças o quão o outro importa!

E é bastante importante transmitir esses ensinamentos para as novas gerações, para que consigamos passar por esse momento e voltar a viver livres! Afinal, as crianças que estão vivenciando esse momento estão sendo diretamente e negativamente impactadas por esse cenário.

Como trabalhar a empatia na infância?

Empatia na escola

É preciso acompanhar de perto as relações que a sua criança constrói nos período de aula. Por isso, é importante ter conversas com os pequenos e pequenas, entender as suas dificuldades e descobrir como anda o relacionamento com os(as) amigos(as). Ainda, é essencial explicar para criança sobre vulnerabilidade, compaixão e convivência.

Empatia na leitura

Um estudo da revista “Science” mostrou que, a partir da leitura, é possível estimular a empatia nas crianças por meio da identificação com os personagens literários. No caso de crianças menores, essa leitura pode envolver histórias com animais, por exemplo, porque elas se identificam e têm muita empatia com os bichos.

Também é importante introduzir a criança em outros mundos, expor as fraquezas e questionamento sobre os personagens, para elas entenderem que todos podem sofrer. E por isso, precisamos criar empatia com o outro, seja ele quem for. Assim, tenha esse momento de leitura compartilhada com sua criança, abra um espaço para dúvidas e seja o porto seguro para cada questionamento.

Meditação e vivência ao ar livre

É possível começar a praticar pequenas meditações com as crianças desde cedo, a partir dos três anos de idade. Isso porque silenciar e lidar com as emoções das crianças é muito importante para abrir um canal de diálogo com ela.

Além disso, o contato com a natureza traz momentos de reflexões e mais calmaria para as crianças. Então, levá-las aos espaços verdes, amplos e abertos pode ser um momento de encontro, reflexão, brincadeira com seu pequeno ou pequena!

Momentos em grupo

Para além dos momentos na escola, outros momentos com grupos de amigos podem ajudar as crianças na compreensão e relação com o outro. É o caso da hora de brincar, de praticar um esporte ou de se divertir com jogos educativos, por exemplo.

Nessas situações de interação com outras crianças, os pequenos e pequenas precisam escutar, compartilhar, compreender o outro e entender que, nem sempre, a sua vontade irá prevalecer. E além de ganhar, a criança também poderá perder, por exemplo.

Dessa maneira, os momentos em grupo são fundamentais para exercitar a empatia e ensinar sobre aceitar as diversas situações, de forma tranquila. Afinal, a criança deve aprender que até poderá ficar chateada, mas ganhar ou perder também faz parte.

Por fim, é preciso ensinar para as crianças que grande parte do nosso sucesso depende dos relacionamentos que construímos. Isto é, se relacionar com o mundo também é muito importante. E para isso, é preciso respeito, empatia e compreensão!

Você gostou do nosso texto sobre como trabalhar a empatia na infância? Se você quer continuar lendo sobre educação e tecnologia, parentalidade e desenvolvimento infantil, acompanhe os textos do Blog PlayKids! Aqui você encontra os melhores conteúdos sobre bebês, crianças e família. Não perca nenhuma novidade!

Juliana Praia

Juliana Praia

Pós-graduada em Jornalismo Literário e Marketing Digital, é uma pessoa LGBTQIA+ que se interessa pelo coletivo.
Leia mais
Deixe um comentário

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

9 + 11 =

Pin It on Pinterest