logo-playkidsapp
Promoção Dia das Crianças

Como lidar com mentiras das crianças?

por | set 2, 2021

Os adultos e as crianças mentem por motivos semelhantes: medo de não agradar ou receber uma punição, ganho pessoal, impressionar ou proteger alguém ou ser educado. Como lidar com mentiras das crianças? 

Para ajudar você, pai/mãe ou responsável, a conversar sobre esse tema com os pequenos, montamos uma seleção especial de desenhos no PlayKids sobre o comportamento de mentir. A curadoria “Mentira tem Perna Curta” leva em consideração variadas faixas etárias já que o ato de mentir fica complexo a partir do desenvolvimento infantil. Desta forma, diferentes tipos de intervenção parental também são necessárias.  

Confira algumas dicas de como lidar com mentiras

1. Entre 2 a 4 anos:

As crianças ainda estão desenvolvendo a moralidade, logo, muitas vezes a linha entre verdade e mentira é invisível por estarem aprendendo a distinguir entre realidade, sonhos, fantasias e medos. No episódio “Não fui Eu” de Charlie e Lola, observa-se que Lola, por receio de desagradar ou ter uma consequência negativa pela sua ação, não admite que  foi a responsável por derrubar e quebrar o foguete de seu irmão. Ela diz a famosa resposta infantil: “Não fui eu!”. 

Caso este tipo de situação ocorra, busque uma resposta diplomática que incite a dúvida frente a este comportamento. No caso da situação do desenho, o irmão ou responsável poderia questionar: “Você viu quem foi? Eu gostaria de convidar a pessoa para consertarmos juntos o foguete.” Deste modo, evita-se entrar em uma discussão sobre o possível culpado e aponta-se para a criança de que a ação dela poderá ser acolhida e possivelmente reparada. 

Até 3 anos, a melhor aposta para lidar com mentiras é estimular a sinceridade e a construção da confiança dentro dos relacionamentos. Por sua vez, após os 4 anos já é recomendado falar sobre o comportamento e suas consequências de maneira franca e direta com a criança. Perguntando então sobre o que ela estava sentindo quando mentiu e trazendo as consequências desse comportamento para o desenvolvimento de relações saudáveis.

2. Entre 5 e 8 anos:

Nesta fase, as crianças já possuem um pensamento mais estruturado e estão lidando com o aumento das responsabilidades. Então, podem estar usando a mentira como um subterfúgio para fugir de um contexto desconhecido o qual elas ainda estão se adaptando. As mentiras desta faixa etária são simples de serem detectadas. 

Nos episódios “Levar bronca por quebrar algo” e “O Vaso Quebrado” dos desenhos Chapeuzinho de Todas as Cores e O Diário de Mika, disponíveis em nossa seleção especial, as personagens pensam em utilizar a mentira para evitar uma bronca ou castigo dos responsáveis. Usam isso em um contexto em que é a primeira vez que quebram algo estimável pelos mesmos e lidam de diferentes formas com a situação conforme nomeiam o que estão sentindo.

A utilização de narrativas e livros infantis que abordam o tema são ótimas ferramentas para trabalhar a identificação com a ação dos personagens, ampliar estratégias de resolução de problemas e refletir sobre o papel da honestidade no cotidiano. Em conversa com a criança, é importante não ser omisso ou autoritário. Mas mantenha um tom em que se expresse o quanto você se preocupa e entende aquele comportamento e por isso quer ajudá-la a pensar antes de falar ou agir.

3. Entre 9 e 12 anos:

Nesta faixa etária, as crianças estão estruturando sua identidade e seus pertencimento a grupos identitários, logo a construção e manutenção de relacionamentos é de extrema importância para elas. Elas também possuem uma noção mais coesa de certo e errado, desta forma, a culpa após mentir é mais presente. No episódio “A Verdade Cantada” do desenho Nina Perguntadeira, a personagem descobre o quão difícil é contar a verdade em certas situações sociais, especialmente, quando não se deseja magoar um amigo. 

O episódio é um ótimo recurso para compartilhar com as crianças e refletir sobre a força da honestidade e ética na manutenção dos relacionamentos. Converse com a criança sobre a dificuldade em dizer sempre a verdade e ilustre com exemplos pessoais. Também, pensem em como lidar com todas essas situações em que ser sincero parece ainda mais desafiador. 

Ser um modelo é essencial

Algumas formas de encorajar a honestidade se relacionam com dois comportamentos do próprio adulto: a forma como reagimos à mentira e a utilização da mentira por familiares. É importante focarmos na coragem da criança quando ela conta a verdade, agradecendo-a por ter compartilhado aquela informação. Elogiar é mais eficiente do que punir. A criança é capaz de analisar o custo e o benefício de falar a verdade, caso ela aprenda logo cedo que o custo é muito alto e a mentira é útil para evitá-lo, ela optará com frequência pelo ato de mentir. Logo, acolher o medo e a dificuldade da criança em ser honesta a auxilia a entender que ela possui um ambiente seguro para errar e encontrar formas de agir de forma diferente. 

Utilizar elogios insinceros em relação às produções da criança e mentiras para se adequar às expectativas sociais servem como exemplo. Elas irão projetá-los dentro do seu próprio contexto inter-relacional, acreditando que mentir é uma estratégia eficaz e corriqueira para lidar com situações às quais não conhece outros tipos de comportamento mais adequados. 

A mentira é um aspecto natural dentro do desenvolvimento infantil e deve ser tratada como tal. No entanto, se este comportamento estiver associado a comportamentos agressivos ou ser muito frequente, busque apoio profissional. No entanto, é importante aprendermos a como lidar com mentiras. 

Leia mais: 

Categoria:
Crianças
Escrito por Erica Medeiros

Escrito por Erica Medeiros

Analista de Conteúdo na PlayKids, é psicóloga e especialista em neuropsicologia e psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem infantil.

Nossas Redes Sociais

Mais lidas

Conheça o PlayKids

O que é PlayKids App?
Qual a importância dos aplicativos educacionais?
Você sabe como funciona o PlayKids?
Saiba como assinar PlayKids
Promoção Dia das Crianças

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro + oito =

Mais Posts
A importância de cuidar de quem cuida

A importância de cuidar de quem cuida

Você conhece a importância de cuidar de quem cuida? A chegada da pandemia causada pela Covid-19 trouxe diversos problemas. Aumentaram as taxas de doenças mentais entre pais, por exemplo. Também foram afetadas as crianças que tiveram que passar maiores períodos em...

Ei, quer receber nossas
novidades toda semana?

E-mail cadastrado com sucesso!

Pin It on Pinterest